sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

EM TIMBÓ, OS HELIANTOS AINDA FLORESCEM NO CHÃO DO POETA BELL





 Eulália M. Radtke


-1-

Abriram o coração do poeta.
      Singraram sua quietude.

Nos vasos postos e apostos
as flores da morte abrolharam
                    sem cor.
      O coração do poeta parou.

A voz rouca da solidão das palavras
sangrou a aorta no mais profundo
                     dos lírios.
E o Vale anoiteceu triste
                      - sobrio de dor-
ai que dor ! O Rio Benedito curvo e longo
desceu as montanhas, mergulhou no Vale
                   misturando suas lágrimas
ao choro doído do Rio Itajaí-Açu .

Abriram o peito do poeta
                   - o poeta morreu .

As corredeiras dos rios mudaram
naquele dezembro , naquele dia  dez
quando a lua dormia em sua letargia
                 minguante

Hoje
um sino badala dolente ,
                         rachado.
Cingiu-se naquela tarde
uma nota dissonante na sinfonia
                     das águas
quando aquela primavera fechava
                     seus  halos
_ As cigarras daquele verão serão eternas
       nos morros verdes do Vale ,
e a poesia florescida do poeta
      formará ainda e sempre
a sintaxe  dos jardins possíves .

-2-

Ai que dor te saber morto !
           ai que tudo
           ai que nada
           em minhas mãos vazias
           de teu silêncio ,
teus sábios delírios arrebatados
                   no peito
            -- um cavalo alado ,
            cítara ardente e harmoniosa
            nas colinas ,
            tuas vestes a velar o coro
                    dos anjos
            que um dia te amaram
            e te amarão nas floradas
                    de ano inteiro ,
                    tempo infinito .

Ai que dor te saber mudo !
Claros fios de prata em tua fronte
             -- tanto que abreviaste a vida,
                  ali breve
             mas não tão breve
             q'a tua eternidade é profundo
                    coração
onde verte o pranto e pura fonte
                                           inaudita.   
 

-3-

Nogueiras plantadas por teu pai
                no sítio do  sol,
magnólias no canto do jardim
     -- Amália , sob os desígnios das almas
     abriu a terra dando viço ao girassol
     tornado poesia:
                   então conheci
     "a geração das crianças traídas"
     e Bell no amanhecer "Das Vivências Elementares"

" As Annamárias " em teu veio inesgotável
foi lâmina cortante
nas vértebras de meus silêncios
                                 desfeitos.
Teus cabelos estrelados
incendiaram palavras retumbadas
                   no Viaduto do Chá,
tua Catequese Poética foi o pêndulo
                    e grifos de luz
               no coração do Brasil.

Teus sons, poeta, cunharam
diamantes abrasivos de solidária
               ternura,
num tempo de Vietnam
e céu de chumbo nas praças
                   de nossa Pátria.

Com tuas asas de pássaro 
gigante aprendi,
em tua espada de vaidades
me  espelhei.

Hoje antúrios reflorem
na grama prenhe de poesia
             sempre,
urdidas ramas fincadas
nas possibilidades da terra
como algas mansas
qual peixe fundido na argamassa
              de teu testamento
              de luz infinita.

Bebi sim, o vinho
de tuas ceias partilhadas.
Tuas cismas e escamas
                    prateadas
habitam destinos tantos.

E nos quintais de Timbó
sob o cheiro e a magia do eclético
               Grande Vale
          entre rumos e rimas
            praças e avenidas
          --atalhos ressonantes da memória--

os heliantos ainda florescem.
                                 
                             ( Publicado no Jornal de Santa Catarina em 10-12-1999
                             ;Antologia Blumenauaçu 2-ed. Cultura em Movimento/2000)

Nenhum comentário:

Postar um comentário